quinta-feira, 24 de abril de 2014

Morte de Juscelino foi causada por acidente, diz Comissão da Verdade

Fonte: G1 (clique aqui)

Após dois anos de investigações, a Comissão Nacional da Verdade afirmou nesta terça-feira (22) que, segundo apurou, o governo militar (1964-1985) não teve participação na morte do ex-presidente da República Juscelino Kubitschek, ocorrida em 1976. Havia suspeitas de que JK tivesse sido vítima de um atentado.

A primeira das seis conclusões a que chegou a comissão aponta que o veículo Chevrolet Opala, placa NW-9326 RJ, que conduzia Juscelino e seu motorista Geraldo Ribeiro pela Via Dutra, rodovia que liga São Paulo a Rio de Janeiro, colidiu frontalmente com uma carreta Scania Vabis, placa ZR-0398-SC, após ter sido atingido por um ônibus. O acidente, ressaltou o grupo, provocou a morte do ex-presidente e de seu motorista.

"Não há nos documentos, laudos e fotografias trazidos para a presente análise qualquer elemento material que, sequer, sugira que o ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira e Geraldo Ribeiro [motorista de JK] tenham sido assassinados, vítimas de homicídio doloso", diz o relatório divulgado pela comissão.

"O conjunto de vestígios materiais indica que o ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira e Geraldo Ribeiro morreram em virtude de um acidente de trânsito", concluiu o documento.

Os integrantes da Comissão da Verdade investigavam a morte de Juscelino desde 2012, quando a Seção de Minas Gerais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pediu para o colegiado apurar as suspeitas de que Juscelino havia sido assassinado. Indícios apontavam que a morte poderia não ter sido um homicídio.

Para chegar à conclusão anunciada nesta terça, a comissão se reuniu com o perito criminal Sergio Leite, que confeccionou o laudo do local do acidente.

O grupo também conversou com o médico legista Márcio Cardoso, que realizou o exame da ossada de Geraldo Ribeiro, o motorista que dirigia o Opala onde estava JK. Na versão oficial, o veículo que conduzia o ex-presidente foi atingido na Via Dutra por um ônibus e, na sequência, colidiu contra uma carreta, provocando a morte de JK e de seu motorista.

Clique aqui para ler a reportagem completa e ver o vídeo.

Voz de Diamantina: Semana Santa, tempo de nostalgia e interiorização

Capa (52)Não raras vezes o diamantinense é tachado de bairrista incorrigível, tantas as belezas, os encantos e as singularidades por ele atribuídas à sua terra natal. Com absoluta naturalidade, tal juízo lhe soa exagerado ou, sabe-se lá, como traço indisfarçável de inveja dos que não têm motivos para ufanar-se tão apaixonadamente do torrão que os viu nascer. Por mais, entretanto, que essa marca de nascença se apague com o passar dos anos e o amadurecimento desse cidadão privilegiado, não há quem mais se emocione com as cerimônias da Semana Santa dos que, desde crianças, ouviram as batidas marcantes das alabardas da Guarda Romana sobre o calçamento de pedras ao som lúgubre da marcha fúnebre, somente executada durante a Procissão do Enterro. Quando, então, a banda de música se cala em reverência ao troar das lanças dos centuriões e Maria Beú fere os ares com o seu canto-lamúria enquanto desenrola o pano que enxugou a face de Cristo gravada com o sangue dos seus ferimentos, uma brisa fria, semelhante à que cortou o Gólgota, perpassa a multidão em grossas alas, penetra na mente de cada diamantinense que, desde a meninice, acompanhou o esquife do crucificado, escutou o som tristonho das matracas e as vozes chorosas do Coro de Éus. Daí em diante, more na cidade-presépio em que nasceu ou nas mais distantes lonjuras do país e do mundo, retornam-lhe à memória os tempos das peraltices e do catecismo, das serenatas e das retretas, das amizades e dos namoricos, crescendo-lhe, sem nunca parar, esse amor profundo que leva muitas pessoas a chamarem-no do mais bairrista dos povos, honroso qualificativo que mais e mais lhe faz luzir a autoestima.

Neste ano, porém, em que o feriado de 21 de abril inflou mais ainda o período de descanso e reflexão da Semana Santa, e Diamantina se viu pequena para bem receber e melhor ainda tratar os filhos que a ela retornaram e o mundo de visitantes que vieram conhecê-la ou novamente cortejá-la, uma grande frustração tisnou o brilho do maior, mais importante e cultural evento deste velho e religioso burgo.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 663, de 26 de abril de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 165,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

quarta-feira, 23 de abril de 2014

Proteção e conservação do patrimônio espeleológico da borda leste da Serra do Espinhaço

O Instituto do Carste está organizando o Seminário: Proteção e conservação do patrimônio espeleológico da borda leste da Serra do Espinhaço, a ser realizado no dia 30/04/2014, em Diamantina.

Este seminário irá, primeiramente, apresentar ao público a importância da diversidade, proteção e conservação do patrimônio espeleológico da borda leste da Serra do Espinhaço. A partir deste referencial será promovida uma discussão sobre a criação de um Núcleo Espeleológico na borda leste da Serra do Espinhaço, em Diamantina - MG, seu funcionamento, objetivos e linhas de pesquisa.

O objetivo central deste Núcleo é ampliar o conhecimento sobre o patrimônio espeleológico da porção meridional da Serra do Espinhaço. Isto será feito através da promoção de estudos concentrados na identificação, cadastramento e mapeamento de cavidades, bem como na análise ambiental deste patrimônio. O Núcleo pode ser um importante apoio para pesquisa de alunos e professores do IGC-UFMG, em cavernas em diferentes litologias no Espinhaço.

image

image

terça-feira, 22 de abril de 2014

Motociclista morre em grave acidente próximo ao Campus II da UFVJM em Diamantina

Fonte: Aconteceu no Vale, com fotos de Sérgio Souza (clique aqui)

Um motociclista morreu na tarde desta terça-feira, 22 de abril, em um grave acidente na BR 367, no trevo de acesso secundário a Diamantina, próximo ao Campus II da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

De acordo com informações, a violenta colisão entre uma motocicleta e uma pick-up vitimou no local o condutor da moto, que ficou totalmente destruída. O veículo também ficou bastante danificado.

O nome da vítima fatal e do condutor da pick-up não foram divulgadas. A perícia da Polícia Civil foi acionada e compareceu ao local para procedimentos de praxe.

image

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Moradores denunciam infestação de ratos em creche no distrito do Guinda em Diamantina

Fonte: Aconteceu no Vale (clique aqui para ver a reportagem completa)

Uma creche localizada a Rua Antônio Carvalho da Cruz, no distrito do Guinda, em Diamantina, Vale do Jequitinhonha, está causando revolta em moradores e pais de 34 crianças que são atendidas diariamente pela unidade.

De acordo informações de uma mãe que não quis se identificar, o local está infestado de ratos, nas fotos enviadas é possível ver indícios de fezes e urina desses animais espalhadas pelo estabelecimento. Nas fotos é possível ver fezes espalhadas em meio aos alimentos, materiais escolares, dentro de gavetas e até nas vasilhas utilizadas para preparo de alimentos que são servidos as crianças.

Segundo a presidente da Associação do Distrito, Patrícia Pitella Ribeiro, o caso já foi comunicado a Secretária Municipal de Educação, no entanto até a presente data, nenhuma solução foi tomada. Ainda segundo a presidente, o caso foi comunicado também ao Prefeito Municipal, Dr. Paulo Célio, sendo que este se prontificou entrar em contato com a Secretaria de Educação para que ela resolvesse o problema citado.

A creche atende 34 crianças com idades entre 2 e 5 anos. O fato causa preocupação aos pais, já que o contato direto com fezes e urina de ratos podem causar várias doenças.

De acordo com Patrícia Pitella, um movimento está sendo organizado para esta terça-feira, 22 de abril, com o objetivo de impedir a entrada de crianças no local, até que providências sejam tomadas pela Secretária Municipal de Educação.

 

sábado, 19 de abril de 2014

Jornal Nacional: Sibilas retornam às encenações da Semana Santa em Diamantina

Fonte: Jornal Nacional ( clique aqui para ver o vídeo)

As celebrações da Semana Santa em Diamantina, Minas Gerais, retomaram este ano um ritual inspirado em profetizas da antiguidade.

É coisa rara encontrar alguém que se lembre das personagens Frígia, Líbica e Délfica. As três fazem parte de um grupo de mulheres pagãs que viveu na antiguidade. Tinham o dom de prever o futuro e eram conhecidas como sibilas. 

“Os oráculos das sibilas se referiam a futuros coletivos, de guerras, de vitórias, de derrotas”, explica Maria Cláudia Magnani, professora de história.

Ninguém sabe ao certo por que, mas a ligação das profetizas com Diamantina é muito antiga. Quatro delas aparecem nas pinturas do teto de uma capela, que é do Século XVIII. Para a Igreja, essa história tem tudo a ver com a Semana Santa, já que as sibilas previram com detalhes tudo o que viria a acontecer com um dos personagens mais famosos do mundo.

De agora em diante as sibilas têm lugar garantido nas encenações da Semana Santa. 

“A gente tem avó com os netos vendo a procissão juntos, relembrando as histórias”, diz uma fiel.

“É mais um atrativo para uma cidade que é patrimônio da humanidade”, declara outra fiel.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Encontro de Imagens de Diamantina

Teatro Municipal Santa Izabel convida realizadores audiovisuais da região a exibirem seus trabalhos em uma mostra de curtas-metragens a ser realizada em Diamantina de 30/05 a 1º/06.

Inscrições de 28 de março a 02 de maio.

[Informações: http://curtadiamantina.wordpress.com/

Cartaz

Voz de Diamantina: o andar titubeante da Vesperata

Capa 1 (1) Passam-se os anos, substituem-se maestros, músicos se aposentam e chuvas ameaçam desabar sem que as vesperatas percam sua mágica e inimitável atração. Desde sua criação, na última década do século passado, este singular espetáculo diamantinense que ressurgiu e turbinou a campanha para a outorga do título de Patrimônio Cultural da Humanidade a este velho e altaneiro burgo, quanta água passou debaixo da ponte. Quanta modificação para o aperfeiçoamento deste sensacional evento. Desde a necessária, incompreendida e combatida cerca de fita em torno das mesas e a limitação de seu número para garantir o mínimo de conforto e de segurança para o público pagante; o acompanhamento de visitantes até as cadeiras por eles adquiridas; a proibição de vendedores ambulantes, principalmente menores e pedintes entre a assistência; o aumento de suas apresentações para duas vezes no mês, e uma série de outros pequenos, mas importantes cuidados para melhorar e preservar a maior e mais concorrida atração turística-cultural de Diamantina.

Apesar do magnetismo que a vesperata exerce sobre viajantes de pequeno curso ou conhecedores do mundo inteiro, volta e meia leio na internet ou escuto, por acaso, críticas à sua maneira de ser apresentada. Alguns a acusam de excludente, por não ser franqueada ao diamantinense, sob o argumento de que elas são realizadas em praça pública e ninguém pode coibir ou dificultar o ir e vir das pessoas e, muito menos, cobrar qualquer importância de quem deseja escutá-las confortavelmente acomodado. Há também os que reclamam de seu repertório de músicas, ora o tachando de muito erudito, ora de muito popular e, quase sempre, censurando-o por não ser composto só de partituras de compositores diamantinenses. Sem falar de algumas aves raras que tentam achincalhá-la com o apelido de ‘besterata’, revelando a própria e cultivada insensibilidade, ao mesmo tempo em que talvez pensem que esse desprezo por um bem tão apreciado lhes trará alguma notoriedade.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 662, de 19 de abril de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 165,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

Edital de Convocação da Santa Casa de Caridade de Diamantia

EDITAL DE CONVOCAÇÃO (2)

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Quinze artistas interpretam os passos da paixão de Cristo no Teatro Santa Izabel

Diamantina na vanguarda dos órgãos musicais barrocos

Bombeiros de Diamantina ministram palestra para funcionários de escola infantil

Bombeiros do 3º Pelotão de Diamantina ministraram um Curso de Combate a Princípio de Incêndio para 18 (dezoito) funcionários da Escola Infantil Acalanto nos dias 11 e 12 de abril com carga horária de 11 horas/aulas, em conformidade com a Resolução n. 469 de 09/07/2012 do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais.

O objetivo do curso é propiciar à comunidade, conhecimentos para a atuação em princípios de incêndio, com vistas a debelar ou minimizar os danos materiais e a preservar a incolumidade das pessoas. Os funcionários da escola passam a contar com conhecimentos que proporcionarão aos alunos mais segurança, dando maior ênfase na prevenção de acidentes domésticos.

Sére da TV Brasil mostra viagens de Burle Marx

Fonte: EBC (clique aqui) 

A TV Brasil estreou no dia 9 de abril, quarta-feira, às 23h, a série Expedições Burle Marx. Com quatro episódios, de 26 minutos cada, dirigidos pelo cineasta João Vargas, é uma parceria entre a TV Brasil e as produtoras Camisa Listrada e Atelier de Cinema. Os quatro episódios - Coleção, Paisagista, Botânico e Ambientalista – mostram não só o Sítio Roberto Burle Marx, em Barra de Guaratiba (RJ), que abriga uma das maiores coleções de plantas vivas do planeta, mas também o processo de criação de Burle Marx, as suas descobertas e obras mais importantes, além da preocupação com a preservação do meio ambiente, da flora e da fauna brasileiras.

A série dá luz ao trabalho e ao legado de Roberto Burle Marx para o paisagismo contemporâneo. Durante mais de três décadas, Burle Marx, junto a sua equipe de arquitetos, botânicos e paisagistas, percorreu vários pontos do Brasil em busca de plantas com potencial ornamental e que pudessem ser utilizadas em jardins e parques do Brasil. Eram viagens pelo cerrado, pela mata atlântica, pela caatinga, pela Amazônia e pelo Pantanal. A série vai relembrar algumas das viagens e revisitar locais, como Angra dos Reis, Teresópolis e Petrópolis, no Estado do Rio de Janeiro. Minas Gerais, Espírito Santo e Amazonas não ficaram de fora e terão, por exemplo, Pedra Azul, Diamantina, Serra do Cipó, Bonito e Pancas na lista de locais revisitados.

Clique aqui para saber mais.