segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Vesperata encerra Virada Cultural de Belo Horizonte

Quem encerrou a programação da praça da Estação, da segunda Virada Cultural, foi a Vesperata de Diamantina. O grupo manteve em Belo Horizonte o que é tradição em suas apresentações diamantinenses: instrumentistas instalados na sacada dos imóveis, ocupando, as varandas do Museu de Artes e Ofícios. "É oportunidade de divulgar nossa cidade e valorização do trabalho musical das crianças e adolescentes que integram a banda", contou o maestro Patrick Aguilar, de 31 anos. A banda tem 43 músicos e repertório de valsas, dobrados e sucessos populares.

Clique aqui para ler a reportagem completa no Divirta-se

domingo, 31 de agosto de 2014

Acervo fotográfico “Zé da Sé”: inauguração da estação ferroviária (1914)

Texto: Nélio Lisboa - nelioalisboa@hotmail.com - (guardião do Acervo Histórico).

Inaugura-e no dia 03 de Maio de 1914 a Estação e a Linha férrea da E.F.C.B. em Diamantina. Neste dia, às 2 horas da tarde um Trem especial apitando e badalando sino chegava à Estação.  Nele vieram o Presidente de Minas Dr. Júlio Bueno Brandão e pessoas seletas. O largo estava ernbandeirado, enfeitado com palmeirinhas do mato, bananeiras ocasionalmente fincadas, areia pérola no chão, pétalas de flores... Três Bandas de Música realçavam o acontecimento: a do Batalhão, a do Corinho e a do Seminário. Falou na ocasião o Professor Artur Queiroga, respondendo comovido o Governador Dr Bueno Brandão. Havia muito povo, colegiais, seminaristas, professores, padres, soldados, negociantes e fazendeiros. trabalharam para este acontecimento os diamantinenses: Dr Catão Gomes Jardim, José Augusto Neves, João Leão, João Ribeiro Ursini, Padre Antônio Tôrres entre outros ilustres.

Inauguração ferrovia

Triatlon de Aventura: Desafio do Jequitinhonha

sábado, 30 de agosto de 2014

Um piano pela estrada: Arthur Moreira Lima em Diamantina

Fonte: Programação Cultural em Diamantina

Falta pouco para Diamantina receber Arthur Moreira Lima -

Quarta feira dia 3 DE SETEMBRO às 19:30 na praça Dr Prado.
Denominada ‘Um piano pela estrada’, a iniciativa acontece desde 2002. O caminhão já percorreu quase todos os estados. Ao todo foram mais de 400 concertos, com cerca de um milhão de assistentes. O pianista interpreta Pixinguinha, Bach, Luiz Gonzaga, Chopin e Beethoven.
O evento é gratuito e tem apoio da prefeitura municipal de Diamantina junta a Secretaria de Cultura, Turismo e Patrimônio, com patrocínio da Petrobras.
Pela 2ª Vez em Diamantina sendo a 1ª vez em 2007.
Um espetáculo de musicalidade!! Viva Diamantina e vem pra PRAÇA.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Um pedacinho da ìndia em Diamantina

Foto: #quemteviuquemtevê

Fonte: Sergio Fernandes via Facebook

19ª edição de Café Literário tem lançamento de livro e bate-papo com o autor

Fonte: UFVJM

Cartaz 2 agosto 2014

O projeto de extensão Café Literário da Faculdade Interdisciplinar em Humanidades (FIH) da UFVJM realizará sua 19ª edição, no dia 30 de agosto, sábado, às 15 horas, no Museu do Diamante.

Na programação constam o lançamento do livro “O corpo no escuroe um bate-papo com o autor, Paulo Nunes.

A edição do Café Literário é gratuita e aberta ao público. Durante o evento realiza-se um sorteio de livros e os participantes têm direito a coffee break e certificado.

O Café Literário busca fomentar a leitura e a discussão de obras literárias de gênero narrativo na cidade de Diamantina e a formação de público leitor de literatura e acontece graças a parcerias entre diferentes setores da UFVJM (FIH, Proexc e Proad), e o Museu do Diamante, órgão vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus-Ibram, com o apoio da Livraria Espaço B e do Bar Meio Tom.

Curso de Acupuntura Auticular

10614144_10204612798983699_2730901922428083686_n

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Voz de Diamantina: o desdenhado poencial do caminho dos escravos

Capa (12)

Se defender o potencial turístico de Diamantina é ser rabugento, sou o campeão da rabugice. Se apontar a cegueira de nossos gestores para um dos maiores atrativos da cidade é ser chato, repetitivo, ranheta, sou recordista neste exercício crítico. Transcrevo na página 05 desta edição o texto “O Caçador de Tesouros”, publicado na Gazeta Tijucana em junho de 1994, que ressalta o sortilégio a que parecem atrelados os desígnios da Terra dos Diamantes em contraponto à abundância mineral com que a natureza emprenhou suas entranhas. Escrito há 20 anos, este velho artigo ainda guarda o poder de revelar o amor, a fidelidade e a determinação de um diamantinense para recuperar as ruínas de um monumento que encarna os primeiros vestígios da Estrada Real, e de descortinar a saga do ciclo do diamante - em que o despotismo, a miscigenação e o espírito libertário moldaram as raízes da mineiridade - irmã gêmea da diamantinidade.

Mas o que de especial fez Zulmiro Ribas, o protagonista do citado escrito? Propôs restaurar o lendário, mas desconhecido e arruinado Caminho dos Escravos, às próprias custas. Ao saber daquela sua generosa pretensão, o prefeito da época assumiu as despesas com a mão de obra, deixando a seu cargo a supervisão da empreitada. Mais um século passará sem que um cidadão diamantinense mostre tamanho desprendimento, e algum prefeito deste velho e desnorteado burgo demonstre o tirocínio que tornou possível a restauração do belíssimo trecho do Caminho dos Escravos que, serpeando na Serra dos Cristais, desce até a beira do Jequitinhonha, no distrito de Mendanha.

Aquela foi, sem dúvida, a mais importante e barata obra de toda a gestão do prefeito Iraval. Que nela empregou cinco operários, alavancas, enxadas, picaretas, padiolas, carrinhos de mão e nada mais. A recuperação daquele pequeno e monumental trecho destacou o Caminho dos Escravos como um dos maiores atrativos ecológicos, turísticos e históricos do país. Ao saber que Zulmiro Ribas se dispunha a comprar um veículo para transportar os operários e supervisionar graciosamente a recuperação do caminho até Mendanha, o recém-empossado prefeito João Antunes se entusiasmou com a ideia. Que, entretanto, morreu no nascedouro e foi sepultada pelo seu poderoso vice-prefeito.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 681, de 30 de agosto de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 180,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Rally dos Sertões 2014: Antevisão da 5ª Etapa – São Francisco / Diamantina

Fonte: Multidesportos (clique aqui)

Nesta Quinta-feira (28), os competidores do Rally dos Sertões  disputam a ‘temida’ etapa maratona. No fim da etapa, eles não poderão receber auxílio mecânico externo; então, todo o cuidado é pouco. Eles partem de São Francisco para Diamantina, em Minas Gerais, para um total de 645,44 km (223,57 km de deslocamento inicial, 335,98 km de especial e 85,89 km no deslocamento final).

“Esta é a maior etapa de 2014. Teremos um deslocamento inicial longo por asfalto, com um pequeno desvio de 15 km por terra, bem sinuoso e estreito. A etapa ‘Maratona’ começa no início da especial. Logo após a largada, teremos um trial de aproximadamente 5 km numa serra com muitas erosões e pedras. Em seguida, a prova fica rápida, com muito cascalho, seguindo por um longo trecho de reflorestamento bem sinuoso com muita navegação. Logo após o abastecimento, a prova fica travada, com muitas trilhas que lembram muito a região da Canastra. Fica travada até a travessia do Rio Jequitinhonha. Deste trecho até ao final, muitos mata-burros, lombas e estradas de fazenda. Para os camiões, esta etapa também será reduzida. O deslocamento final será em zona de velocidade controlada [radar] até ao parque fechado em Diamantina [Maratona]“, explica Eduardo Sachs, director técnico da prova.

Além de Motos, UTVs e Quads, o Rally dos Sertões também tem as disputas das categorias Carros e Camiões. São sete etapas até à chegada (dia 30) a Belo Horizonte e mais de 2,6 mil quilómetros percorridos. A prova conta com 197 competidores no total e pilotos de seis países, além do Brasil: Chile, Espanha, França, Polónia, Portugal e Reino Unido.

Nas categorias Motos e Quads, o Rally dos Sertões também é válido para o Mundial de Rally Cross Country da FIM (Federação Internacional de Motociclismo).

Entre Goiânia e Belo Horizonte, o Rally dos Sertões vai passar por mais cinco cidades. Três, sede do rali pela primeira vez (a goiana Catalão e as mineiras Paracatu e São Francisco), e Caldas Novas (GO) e Diamantina (MG), que já receberam o Sertões noutras edições.

Rally dos Sertões Chega amanhã em Diamantina

Na quarta etapa do Sertões, competidores enfrentam o Jalapão mineiro

Na quarta etapa os competidores vão encarar areias semelhantes às do jalapão. Foto: Arquivo Pessoal/ Du Sachs

4ª Etapa - 27/08
Paracatu (MG)/ São Francisco (MG)

DI: 135,24 km/ TE: 363,85 km/ DF: 86,21 km / Total: 585,30 km

Mais um dia completo. Após um deslocamento inicial com 80 quilômetros de terra, a especial começa com estradas menores, muitas depressões, erosões e pedras com muitas fazendas. "Começam então as areias que lembram muito a região do Jalapão. Passaremos pela “Vereda da égua”, que inspirou Guimarães Rosa no Grandes Sertões Veredas", lembra Du Sachs, diretor técnico do Sertões.

A prova segue por estradas mais rápidas alternando piso duro, cascalho e areia. "Teremos umas três travessias de rios e dois pontos de abastecimento", lembra Du. Nesta etapa a especial para os caminhões será reduzida. No último trecho a prova fica mais rápida e sinuosa, seguindo assim até o final da especial. O deslocamento final é tranquilo seguindo até a travessia da balsa em São Francisco.

Clique aqui para saber mais.

A Vila das Almas - O Cemitério do Peixe

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Festival Internacional de Escultura em Pedra movimenta a cidade de Coronel Xavier Chaves

Até o dia 7 de setembro, a terceira edição do evento reúne em Minas Gerais artistas do Brasil, Portugal, Equador, Canadá e Itália

Belo Horizonte, agosto de 2014 - Artistas de quatro países, além do Brasil, participam do 3º Festival Internacional de Escultura em Pedra, que é realizado na cidade de Coronel Xavier Chaves, no Campo das Vertentes, em Minas Gerais. O festival segue até 7 de setembro com ateliês abertos, montados em praça pública, proporcionando a troca de experiências entre os artistas locais e os selecionados pelo edital do festival.

Neste ano, o evento conta com uma novidade em relação às outras edições. A Via Crucis, caminho que Jesus fez enquanto se encaminhava à crucificação, é o tema proposto aos escultores participantes. Antes, o tema era livre.

Dos 34 projetos inscritos no festival, seis foram selecionados para representar em pedra a Via Crucis: David Eduardo Fuzatto, brasileiro (1ª estação - Jesus é condenado à morte); Fábio Boa Ventura Dias, brasileiro (4ª estação - Jesus se encontra com sua mãe); Mario Genaro Tapia Caisaguano, equatoriano (8ª estação - Jesus encontra as mulheres de Jerusalém); Luca Marovino, italiano (9ª estação - Terceira queda de Jesus); Vahe Tokmajyan, canadense (10ª estação - Jesus é despojado de suas vestes); e Paulo Jorge Tuna Pereira, português (15ª estação - Jesus ressuscita).

O evento promove a valorização do patrimônio cultural e da tradição de cantaria e da escultura em pedra na cidade. Segundo Helder Sávio, prefeito de Coronel Xavier Chaves, “os benefícios que o festival traz são notórios e a cada edição a cidade fica mais atrativa para o turista, que pode apreciar uma bela galeria a céu aberto”.

No último dia do festival os artistas terão suas esculturas expostas ao público e receberão a premiação de seis mil reais prevista em edital. Haverá também programação especial para o público, com exposição de peças em argila, confeccionadas em oficinas, e shows a partir das 17h.

O festival é promovido pela Associação dos Amigos do Acervo Cultural Geraldo Magela Rodrigues e conta com o patrocínio do Sicoob (Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil), da MRS Logística, do Sebrae-MG, da Saint-Gobain, da EMFX e da Bozel. O evento também tem o apoio da Prefeitura de Coronel Xavier Chaves e da CCAA.

O crescimento do festival

O Festival Internacional de Escultura em Pedra é realizado em Coronel Xavier Chaves desde 2009. A segunda edição, em 2011, já demonstrou um salto na qualidade dos artistas e no interesse pelo festival, com 150 escultores inscritos de 35 países diferentes. Em 2014, o festival pretende proporcionar ainda mais visibilidade para os artistas locais e oportunidades para o negócio das artes.

Inspiração em Portugal

O 3º Festival Internacional de Escultura em Pedra de Coronel Xavier Chaves é inspirado no tradicional Simpósio Internacional de Escultura em Pedra (Simppetra), que ocorre a cada dois anos na cidade de Caldas da Rainha, em Portugal. A intenção é manter um intercâmbio permanente com a cidade portuguesa, trocando experiências entre os eventos.

Sobre Coronel Xavier Chaves

A cidade da cantaria e das esculturas em pedra possui 3,3 mil habitantes e fica a 16km de São João del Rei, 9km de Tiradentes e a 170km de Belo Horizonte. Está localizada na Estrada Real e integrante do Circuito Trilha dos Inconfidentes. Além da hospitalidade típica mineira, da rica culinária e da famosa cachaça da região, a cidade é famosa pela cantaria, arte que remonta há mais de oito mil anos no entalhe da pedra para a produção de peças a serem utilizadas nas edificações.

Serviço: 3º Festival Internacional de Escultura em Pedra

Data/horário: de 7 de agosto até 7 de setembro de 2014

Local: no município de Coronel Xavier Chaves/MG, com ateliês em estandes montados em praça pública

Entrada: gratuita

Mais informações: facebook.com/festivaldeesculturaempedra e www.festivaldeesculturaempedra.art.br

Festival Internacional agita Coronel Xavier Chaves com programação cultural

A cidade de Coronel Xavier Chaves vira uma galeria a céu aberto com a presença de artistas do Brasil, Portugal, Equador, Canadá e Itália. É o 3º Festival Internacional de Escultura em Pedra que acontece até o dia 7 de setembro e que também conta com programação cultural aberta ao público.

Os alunos de Artes Aplicadas da UFSJ expõem seus trabalhos e realizam intervenções artísticas na cidade nos dias 30 de agosto e 7 de setembro.  E entre os dias 28 de agosto e 7 de setembro, haverá exposição e venda de artesanato, além de oficina de terracota de 3 a 7 de setembro. Também haverá apresentações musicais com bandas da região:

Dia 28/08 – Banda Mitos - 21h

Dia 29/08 – Clube da Seresta -22h

Dia 30/08 – Banda Girus - 22h

Dia 31/08 - Uai Samba – 17h

Dia 04/09 – Hello Acústico – 21h

Dia 05/09 – U2Cover – 22h

Dia 06/09 – Banda Fama e Cia - 22h

Dia 07/09 - Samba de Raiz – 17h

Mais informações sobre o festival em: www.festivaldeesculturaempedra.art.br

Curso de Educação Patrimonial no Guinda

image

domingo, 24 de agosto de 2014

Acervo fotográfico “Zé da Sé”: A Cavalhada Velha

Texto: Sr. Nélio Lisboa - Guardião do Acervo Histórico e Fotográfico - nelioalisboa@hotmail.com

O Largo do Rosário e a Cavalhada Velha eram os locais de grandes festas no antigo Tijuco. Eram realizados jogos, danças e rituais folclóricos. No tempo do Tijuco era o encontro para o tríduo momesmo, Cavalhada com jogos de Argolinhas e embate entre Mouros e Cristãos. Depois transformou-se em um belíssimo Parque arborizado (veja a foto) e, no século passado em um campo de esporte , onde à tarde se reuniam as jovens da alta Sociedade para a prática do Vôlei, com arquibancada e redes.

A IMAGEM 02A