quinta-feira, 24 de julho de 2014

"Vida de Menina": diretora e elenco do filme se reúnem dez anos após a estreia

Fonte: Jornal Hoe em Dia (clique aqui)  e veja o filme no Youtube (clique aqui)

"Vida de Menina": diretora e elenco do filme se reúnem dez anos após a estreiaHelena Solberg ainda se lembra, divertida, da primeira exibição de “Vida de Menina” em Diamantina, numa praça pública, ao notar a surpresa dos moradores quando viram sua cidade destacada na tela grande. “Eles não imaginavam que Diamantina era tão linda”, recorda a cineasta. Dez anos após essa experiência, equipe técnica e elenco se reencontrarão em Belo Horizonte para a apresentação especial do filme, no domingo, às 13h, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna, dentro da programação da extensão mineira do “Festival É Tudo Verdade”, com início nesta quinta-feira (24).

“Estamos tentando contatar todo mundo, mas os que não encontrarmos já se considerem convidados pela reportagem”, avisa Helena, assinalando que o convite também vale para os muitos figurantes que participaram da adaptação do diário de Helena Morley, escrito na Diamantina do século 19.

“A cidade abraçou o filme. Foi muito interessante iniciar uma filmagem num horário meio ingrato, às 4 horas da madrugada, e ver um batalhão de pessoas já vestidas para participar”, destaca a diretora. Carinho, por sinal, é a palavra à qual todos os integrantes mais recorrem ao falar do filme.

Beco do Mota
Um dos atores do filme, Luciano Luppi lembra de “um período gostoso, no qual a equipe trabalhava com harmonia a partir da condução carinhosa de Helena”. Ele interpreta Mota, personagem histórico que dá nome ao famoso beco da cidade e que cruza o caminho da protagonista.

O diário destila ironia ao acompanhar como as mudanças econômicas motivadas pela decadência da mineração refletiam nas relações sociais e familiares. O livro foi destacado pelo sociólogo Gilberto Freyre (1900–1987) como “único documento que existe no Brasil que fala do cotidiano sem ser memórias”.

Outro integrante do elenco foi o Elvécio Guimarães na pele de um padre rabugento. “Não gosto muito de cinema porque, como todo mundo sabe, é uma arte do diretor. Mas, nesse, fiz as pazes com o cinema. Helena Solberg sempre estava disposta a conversar e a aceitar as nossas sugestões”, recorda.

Os bastidores das filmagens estão também no livro “Helena Solberg, do Cinema Novo ao Documentário Contemporâneo”, escrito pela jornalista e diretora mineira Mariana Tavares, que terá lançamento no sábado, às 16h.

Um carinho que trouxe conforto na volta do exílio
O carinho recebido em Diamantina serviu como um conforto para Helena Solberg, que voltava de um “exílio” de 30 anos nos Estados Unidos, onde assinou importantes obras no gênero documentário e realizava, com “Vida de Menina”, o seu primeiro filme de ficção.

“Uma personagem maravilhosa como Helena Morley não caberia apenas num documentário”, registra a cineasta paulistana, hoje com 74 anos. O que não quer dizer que Helena deixou de flertar com o documentário. “O diário é um documento verdadeiro”, salienta.

A preocupação da realizadora foi a de não fazer uma mera ilustração do texto. Ao lado da roteirista Elena Soárez, chamou a atenção para uma menina de 13-15 anos transgressora, que questionava tudo a seu redor, especialmente a conservadora sociedade mineira do século 19.

A mulher, por sinal, sempre teve um papel relevante em sua filmografia, até hoje pouco conhecida. Autora do livro “Helena Solberg, do Cinema Novo ao Documentário Contemporâneo”, Mariana Tavares assinala que Helena só ganhou destaque na mídia quando lançou “Carmen Miranda: Banana is My Business”, em 1994.

50 anos de cinema
“Esse documentário, que tem um grau de articulação muito grande, não nasce do nada. O seu trabalho anterior, com filmes sobre a política na América Latina, serviram de preparação”, destaca Mariana, que teve como ponto de partida, para o livro, sua tese de doutorado na Escola de Belas Artes da UFMG.

O curta-metragem “A Entrevista”, primeiro título de Helena, foi filmado há exatamente 50 anos. “Ela fazia parte do grupo do Cinema Novo e participava das discussões, mas, ao ir para os Estados Unidos cedo, se tornou o nome menos conhecido, ao lado de David Neves”, registra.

No exterior, Helena se aliou a um grupo de documentaristas estrangeiros preocupados com a situação da América Latina. “Ela trabalhava grandes temas, mas sempre individualiza as questões, elegendo personagens para se aprofundar no tema. O espectador aprendia muito e também se emocionava”, detalha Mariana.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Onde a bossa-nova surgiu

Autor: Manoel Hyguno – publicado no Jornal Hoje em Dia 22/07/2014 – Clique aqui

Vinícius de Moraes tinha raízes mineiras, dos Machados que produziram Lucas, o grande médico, Lúcia – a escritora, o acadêmico Ângelo Machado e tantos outros personagens queridos; Noel Rosa, já se viu, também teve ancestrais na montanha e, no ápice da carreira, veio aqui buscar cura de tuberculose; mais recentemente, descobri que João Gilberto veio a Minas para haurir na fonte inspiração para a bossa-nova.

E escolheu para sua experiência nada menos que Diamantina, terra de Juscelino, o carismático governador e presidente, empregado dos Correios antes de fazer o curso de Medicina e colar grau em 1927, ao lado de Pedro Nava, entre outros. E JK foi apelidado de “o presidente Bossa-nova”.

Ruy Castro, ao elaborar o seu “Chega de Saudade”, recorda a passagem de João Gilberto pela terra de Juscelino, de Francisco Nunes, o maestro, e em que viveu Helena Morley, a menina-prodígio – autora de um livro inesquecível, avó do acadêmico Eduardo Almeida Reis.

Acontece que Castro, o brasileiro, de nome Ruy, não se aprofundou no estudo sobre JK em Diamantina, como informou Juscelino Roque, conhecedor das pesquisas de alto nível realizadas por Wander Conceição sobre a histórica cidade e suas personalidades. Por sinal, o autor ainda luta para conseguir recursos para continuação de seu minucioso e revelador estudo.

Parece estranho, bossa-nova–Diamantina. Mas é fato. Aliás, o trabalho de Wander sobre a influência de Minas e de Diamantina na gestação da bossa-nova já extrapolou as fronteiras de Minas e do Brasil. O suicida jornalista alemão Marc Tischer lançou um livro em sua pátria com o título “Ho-ba-lá-lá, à procura de João Gilberto”, citando uma entrevista com Wander. Este trabalha seu projeto, há mais de década, sozinho, sem ajuda financeira de governo ou empresarial, mas não desiste. Ele sabe da valia de seu esforço.

Mas não somente Ruy Castro entrou no tema. Zuza Homem de Mello produziu um livro de 120 páginas, lançado em 2001, para festejar os 70 anos do compositor, explicando tecnicamente a formação do ritmo e dos acordes da bossa-nova. Diz Zuza, na página 33, que: “Foi especificamente em Diamantina, em 1956, que João Gilberto atingiu a magia que procurava”.

Como o compositor apareceu na terra dos diamantes? A irmã Maria da Conceição Dadainha era casada com um engenheiro civil, Péricles Rocha de Sá, que chefiava obras de uma rodovia na região, a BR-367. Antes, vivera em Diamantina um irmão de João Gilberto, o Jovino, que estudou no colégio Diamantinense, responsável por ensino de primeira qualidade. Mas ainda tocava violão e jogava futebol, pescava, além de integrar o Tiro de Guerra.

Os diamantinenses não conseguiam ver João Gilberto. Ele se enfurnara na casa do cunhado e da irmã, por oito meses. Trancava-se no quarto com o violão e não saía sequer na calçada. Fechava-se horas e mais horas no banheiro, também com o violão. À noite, percorria de meias, para não fazer ruído, os corredores da casa. Depois cantava e tocava baixinho, ao lado do berço de Marta Maria, a sobrinha, no quarto de criança. Para os diamantinenses, era um sujeito esquisito, que passava o dia de pijama tocando violão.

Grupo Samba de Uma Moça Só

Grupo Samba de uma Moça Só
Música: Samba à Mineira
Composição: Cristiano Ribeiro
Música: Samburana e Cristiano Ribeiro

domingo, 20 de julho de 2014

Sem medo de falar: o relato de uma vítima de abuso sexual

Fonte: Youtube (clique aqui) e Jornal Folha de São Paulo (clique aqui)

Casos teriam acontecido em Diamantina (MG) e Novo Hamburgo (RS)

O primeiro relato pessoal já publicado de uma vítima de abuso sexual. Um livro que todos os pais e os que amam as crianças precisam ler.

O abusador sexual é alguém próximo. Um parente, um amigo da família, um professor, um padre, um treinador, um maestro de coral. Seu maior aliado é o silêncio. A criança não denuncia porque tem vergonha, medo. Porque acha que ninguém vai acreditar. Marcelo Ribeiro perdeu o medo de falar. Neste livro corajoso, ele conta como, ajudado pela mulher, conseguiu enfrentar o trauma e a condenação ao silêncio. Sua vida é um exemplo de superação: das dores, tirou lições fundamentais para aqueles que desejam a felicidade das crianças e para todos que querem encontrar caminhos para que a sociedade possa se prevenir desse crime monstruoso.

Clique aqui para ler reportagem no Jornal Folha de São Paulo.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Voz de Diamantina: 1ª Semana de Inverson, uma iniciativa já muito aguardada

Capa (8) ”Da manhã ao entardecer de domingo o Festival foi encerrado com a participação de grupos folclóricos locais e de outras cidades. Ou seja: os mesmos talentos que se preocuparam em valorizar esses fortes valores de raiz se acumpliciaram com a destruição de duas das mais caras tradições diamantinenses: a vesperata e a hospitalidade. Que o magnífico reitor da UFMG, cujo discurso no Teatro Santa Isabel tanto impressionou, sopese com muito discernimento os descaminhos em que o mais antigo e importante Festival de Inverno vem se enveredando. Sua pronta, corajosa e enérgica atuação é a única esperança de que progressistas mestres e doutores não venham a sepultá-lo desastradamente”.

Esta frase encerrou o editorial que descreveu a Inesperata, infeliz provocação com forte viés de militância política-sindical que maculou o último Festival de Inverno da UFMG realizado em Diamantina. Paradoxalmente, na cerimônia de abertura daquele sempre bem-vindo acontecimento, nunca um prefeito externou tanta cortesia, fineza e receptividade a um reitor da UFMG, ao pronunciar sua elegante e inspirada oração de pé, e explicar ser este um velho costume diamantinense durante a leitura do evangelho, a execução do hino nacional e em solenidades que exigem respeito. E que ele assim procederia em reverência às oportunidades culturais que a UFMG tem oferecido a Diamantina através do Festival de Inverno.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 675, de 19 de julho de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 180,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

terça-feira, 15 de julho de 2014

Processo seletivo na Santa Casa de Caridade de Diamantina

A Santa Casa de Caridade de Diamantina informa que está aberta inscrição do Processo Seletivo para classificação de Enfermeiro e Auxiliar de Farmácia. O edital pode ser acessado através do site www.santacasadediamantina.com.br ou na própria instituição.

3° BPM prende quadrilha de estelionato e corrupção de menores em Diamantina

Fonte: Assessoria de Comunicação Organizacional da Polícia Militar

Em 12 de Julho de 2014, após denúncia anônima de que indivíduos estariam tentando repassar NOTAS FALSAS no comércio local de Diamantina, militares do 3° BPM deslocaram em rastreamento e abordaram um dos autores sendo localizado, durante busca pessoal, R$59,00 (cinquenta e nove reais) em cédulas de (10, 05, e 02 reais) e mais 03 cédulas de (50, 20 e 05 reais) aparentemente falsas.

Foram presos 7 envolvidos dentre estes três menores infratores apreendidos em flagrante delito. Posteriormente, foram presos/apreendidos mais dois envolvidos portando moedas falsas.

image

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Nascida em Diamantina, Maria “Lata D’água” será tema de documentário

Fonte: Jornal A Cidade (clique aqui para ler a reportagem completa)

Divulgação

Pouca gente sabe, mas Maria Mercedes Duarte é uma das figuras centrais do samba nacional. Não exatamente como cantora e compositora, mas como musa inspiradora de uma das músicas mais conhecidas do cancioneiro popular. Foi para ela que os compositores Luís Antonio e J. Júnior escreveram, em 1952, “Lata D’Água” - quem não se lembra dos versos “Lata d’água na cabeça/ Lá vai MAria/ Lá vai Maria...”?

A canção ficou célebre nas vozes de estrelas como Marlene. Mais de seis décadas depois, vai ser relembrada por velhas e novas gerações graças a um documentário idealizado por dois ribeirão-pretanos.

Criado pela engenheira de produção Thalita Magalhães e pelo músico Júlio Fejuca, do grupo Sambô, o projeto “Tá No Mundo” resgata personagens que fizeram ou fazem parte da história do País. Maria, ex-passista da escola de samba Portela, foi a escolhida para inaugurar a série de homenageados. “São nomes que se tornaram um marco na sociedade de forma positiva e impactaram pessoas com sua forma de levar a vida, tornando nosso mundo melhor”, explica Julio.

Maria Mercedes Duarte, a Maria Lata D’Água, nasceu há 81 anos, em Diamantina (MG), e foi morar no Rio de Janeiro antes de completar 13 anos. Começou no Carnaval carioca em 1949, desfilando pelo Acadêmicos do Salgueiro. A sua vida artística começou em circo e boates, onde ganhou o apelido graças a sua habilidade em dançar com uma lata d’água na cabeça.

Maria Lata D’Água saiu em quase todos as escolas de samba do Rio, mas a sua preferida era a Portela.Foi lá que ela desfilou por mais tempo.

Deixou o Carnaval em 1991, quando entrou para a igreja Canção Nova, comunidade que faz parte da ala carismática da Igreja Católica. Em 2012, o programa “Fantástico”, da TV Globo, chegou a fazer uma reportagem sobre Maria, na qual a ex-passista mostrava que, mesmo longe da passarela, ainda tinha samba no pé.

Pesquisa da ANP mostra que Diamantina tem a gasolina mais cara de Minas Gerais

Fonte: Guia Muriaé e ANP (clique aqui)

image

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Bar Meio Tom divulga programação do 1º Manifesta

Leia na Voz de Diamantina: sob o domínio da omissão, da leniência, do populismo e da insensibilidade ambiental e cultural

Capa (7)

Não tenho o costume de assistir às reuniões da câmara. Nem paciência. A instalação de um cronômetro digital para disciplinar a verborragia dos vereadores foi um avanço de civilidade. Mas como ainda não existe equipamento que refreie a palavra fácil (e tantas vezes indecorosa), escuto suas perorações pela internet, jogando paciência. Ao impor-me essa mortificação, chamou-me a atenção o crescimento do discurso evangélico de alguns parlamentares. Puxados pelo sempre bem falante José Paulo, alguns vereadores tomam ares de discípulos que se esforçam para salvar o mundo da perdição. Nesta santificada missão, eles se lançam como exemplos de homens retos, tementes a Deus, cuja vida encarna as virtudes de bons filhos, de pais dedicados, de esposos fidelíssimos, de cidadãos patrióticos. Em certos momentos, a câmara fica até parecendo uma sacristia. Quando são propagandeados os valores de pastores, o número de novos adeptos que atraíram para seu rebanho e a transfiguração que operam nas comunidades em que atuam. Mas, ao transformar-se em palco oportunista de pregações que misturam catequese e demagogia política, a tribuna pública só tem a perder, uma vez que o país é laico e a prática da religião não pode ser imposta - nem sub-repticiamente - como o fazem, de maneira mambembe, esses apóstolos do mau e viciado proselitismo.

Mas deixemos de lado esse farisaísmo com que se deturpa a já tão aviltada função legislativa e passemos ao que realmente me levou a ouvir, por mais de duas horas, a gravação da 16ª reunião da câmara do dia 30 de junho. Como de costume, salamaleques, puxa-saquismos e palavreados ocos prevalecem como marcas inconfundíveis da maioria dos vereadores. Que não se cansam de trombetear que, eleitos pelo voto, se imolam no estoicismo de comparecer às reuniões semanais e lutar incessantemente pelo bem-estar de seus eleitores e pela correta gestão do município, paladinos da moralidade e defensores do bem público que juraram ser quando diplomados.

Início do editorial da Voz de Diamantina - Edição 674, de 125 de julho de 2014

Assinatura da Voz de Diamantina

Um presente que todo mundo gosta de ganhar

Por apenas R$ 180,00 você recebe 52 exemplares semanalmente durante um ano

Quincas: (38) 3531-3129 e 8824-3584 - vozdediamantina@gmail.com

Aline: (38) 8811-5707 /// Wandeil: (38) 8803-8957

*A partir da tarde das sextas-feiras, o jornal Voz de Diamantina pode ser adquirido nos seguintes locais: Banca de Geraldinho, Canastra Diamantina e Livraria Espaço B

terça-feira, 8 de julho de 2014

Comissão de Direitos Humanos promove reunião para dsicutir atos de violência em Milho Verde

Desde o início deste ano, em Milho Verde, conhecido destino turístico de Serro, vêm ocorrendo atos de uma violência nunca vista na região. Em janeiro, o atentado a Luís Fernando (Nando)- membro da ONG Instituto Milho Verde, que sofreu vários tiros e posteriormente, a colocação de bombas caseiras na casa de Paulo Sérgio  Procópio  (Paulão, ex secretário de meio ambiente de Serro) que foi incendiada. Ainda neste mês de junho a casa de Luís Fernando também foi alvo de bombas caseiras, sendo parcialmente incendiada. Aparentemente ligados à questões relativas ao movimento ambientalista, esta onda de violência tem levado à população grande insegurança, que, acuada diante dos fatos, se cala e diminui sua mobilidade na vila, principalmente no horário noturno.

Devido a esta onda de violência, a Comissão de Direitos Humanos Estadual e Federal estará realizando uma reunião aberta na comunidade, juntamente com a imprensa, nesta quinta feira, dia 10, às 12h; na busca da garantia dos direitos individuais e coletivos na região e da elucidação dos crimes.

Veja abaixo vídeo com entrevista Luís Fernando (Nando)- membro da ONG Instituto Milho Verde

domingo, 6 de julho de 2014

Ministério Público participa de mediação para desocupação da moradia estudantil da UFVJM

MPF participa de mediação para desocupar prédio inacabado da UFVJM em Diamantina Construção do alojamento estudantil foi paralisada por problemas contratuais e está ocupada há mais de um mês por cerca de 60 estudantes

O Ministério Público Federal (MPF) em Sete Lagoas/MG participou na última sexta-feira, 27, de reunião no campus da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), em Diamantina/MG.

O encontro foi agendado pelo deputado federal Nilmário Miranda, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Além do parlamentar, a reunião teve a presença do reitor Pedro Ângelo Almeida Abreu, dos pró-reitores de Administração e de Assuntos Comunitários e Estudantis, de uma comissão formada no Conselho Universitário da instituição e de lideranças do grupo de cerca de 60 estudantes da UFJVM que ocuparam no final de maio um dos prédios inacabados da futura moradia estudantil da universidade.

Durante o encontro de cerca de quatro horas, os estudantes esclareceram que o protesto decorre do não atendimento de demandas por melhor estruturação e qualidade dos serviços de assistência estudantil prestados pela UFVJM, sobretudo alojamento, alimentação e transporte para cerca de 1.500 alunos carentes da unidade em Diamantina. A principal reclamação é a demora na entrega dos cinco prédios de moradia estudantil e seus anexos, cuja construção foi paralisada após o abandono das obras, por duas vezes, pelas empresas contratadas para executá-las.

O procurador da República Antônio Arthur Barros Mendes e o deputado federal Nilmário Miranda buscaram informações sobre o contexto da ocupação e a forma como os serviços assistenciais vêm sendo fornecidos pela UFVJM. Em seguida, foram discutidas ações imediatas que possam eliminar algumas das deficiências apontadas pelos estudantes.

O MPF e o parlamentar ressaltaram a importância de os estudantes promoverem a desocupação espontânea do prédio, por considerarem que a mobilização já rendeu frutos, eis que o ato chamou a atenção das autoridades e colocou em evidência problemas que devem ser enfrentados pela administração da UFVJM. Segundo eles, caso a ocupação continue, há risco de uma iminente intervenção da força pública para liberar o espaço.

“A UFVJM encaminhou à Justiça Federal em Sete Lagoas pedido de reintegração de posse do prédio, o que reduz o tempo para uma saída negociada. Estamos tentando evitar que seja necessário o cumprimento de uma possível ordem judicial, porque sua execução poderá exigir atuação policial. Todos compartilham da visão de que isso seria muito negativo, tanto pelos riscos embutidos numa operação dessa natureza como pelo acirramento do conflito que uma saída forçada tende a gerar a curto e médio prazo”, enfatizou o procurador.

O MPF esclareceu que “vem acompanhando o desenrolar dos fatos e, nos vários contatos com alunos, com a administração da UFVJM e com a comissão formada no Conselho Universitário, tem destacado a importância de uma solução consensual para a desocupação. Embora a construção tenha sido paralisada em estágio adiantado, há muitas intervenções a serem feitas na construção até que esteja adequada para o uso seguro e digno pelos estudantes assistidos. A presença dos ocupantes, além de trazer riscos à integridade física deles e de terceiros que possam transitar pelo espaço, impede, na prática, a retomada das obras e pode dificultar o curso do processo licitatório para sua contratação.”

Ficou ajustado pelos presentes que até o dia 02/07, quarta-feira, os ocupantes comunicarão ao MPF e à Reitoria da UFVJM se sairão espontaneamente e, caso positivo, indicarão o prazo para desocupação total da edificação, estimado pelas lideranças estudantis em cerca de sete dias, dada a necessidade de retirar equipamentos e pertences pessoais. Caso isso efetivamente ocorra, MPF e UFVJM solicitarão à Justiça Federal a imediata suspensão do andamento do pedido de reintegração de posse.

Além disso, o pró-reitor de Administração da UFVJM comprometeu-se a dar tratamento prioritário ao procedimento para contratar a empresa que terminará a construção dos alojamentos estudantis.

Recomendações - No fim da reunião, o MPF recomendou à UFVJM garantir a participação da comunidade estudantil nos assuntos de responsabilidade da ProReitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis. Para isso, o Conselho da ProReitoria, que tem participação estudantil mas não vem funcionando regularmente, deverá fazer reuniões semanais ordinárias até que seja possível coletar, examinar e responder, de forma consistente e fundamentada, as principais demandas que os estudantes apresentem na área da assistência estudantil.

O Ministério Público Federal ainda recomendou à PROACE que, quando o estudante assistido não retirar a alimentação do dia por impedimento justo e comprovado, a falha não seja considerada para fins de supressão do benefício de auxílio-alimentação. A Pró-Reitoria também deverá ajustar os procedimentos relativos à perda de prestações assistenciais por estudantes já habilitados, de modo que, antes que seja imposta a penalidade, se assegure ao interessado o exercício do direito de defesa por prazo razoável.

A UFVJM deverá informar dentro de dez dias se acatará as recomendações.

Inspeção no prédio ocupado - Após o encontro, o procurador da República visitou, junto com o pró-reitor de Administração da UFVJM, Paulo César de Resende Andrade, o prédio da futura moradia estudantil que está ocupado. Conversou com estudantes que estavam no local e inspecionou as dependências do alojamento inacabado. Durante a vistoria, foi constatado que não havia indícios ostensivos da prática de atos de vandalismo ou depredação no interior do prédio.

Assessoria de Comunicação Social

Ministério Público Federal em Minas Gerais