terça-feira, 5 de julho de 2011

Diamantina, um “banho” de cultura

Autor: Beto Assumpção - betoduarte@ibest.com.br

Falar de Diamantina, escrever, descrever é muito difícil. Grandes poetas, escritores, músicos e historiadores já o fizeram e com grande propriedade. Eu quem sou? Apenas um pobre turista agora mais rico com certeza, depois de ter conhecido e sentido um pouco mais de Diamantina, sua exuberante beleza e cultura.

Os sinos tocam, o povo canta e dança. É a Marujada, a festa do Divino, a seresta, a Vesperata, a Arte Miúda (muito graúda por sinal), que encanta e emociona. É o Mercado Velho e o artesanato de Sempre-Viva, seus bares, igrejas, museus espalhados pelas charmosas ruas e becos onde o gostoso é andar a pé pisando as pedras capistranas e admirando sua arquitetura colonial-barroca e suas estórias. A cidade “transpira” música, JK(seu mais ilustre morador) e é seguramente o “ berço” da Seresta, tudo emoldurado pelas belíssimas montanhas de pedra.Não posso esquecer de ressaltar a hospitalidade de seu povo, seu mais precioso diamante. Sei que tem muito mais coisas para ver e curtir e cada vez mais se apaixonar por Diamantina, fica prá próxima vez.

Diamantina

Ladeira acima

Ladeira abaixo,

Cachoeira

Biribiri

É logo ali.

Banho de cultura

Orgulho de ser mineiro

Diamantineiro

2 comentários:

  1. Gripp, O Trem Chic quer tocar aí.Entre no facebook.com/tremchicmg
    Abraços Beto.

    ResponderExcluir